A relação entre a perda auditiva nos idosos e a demência


Todos temos um familiar ou ente querido que sofre de algum tipo de perda auditiva. Com o aumento da esperança de vida, é expectável que as pessoas sofram mais deste tipo de problemas na velhice mas que, por outro lado, vão surgindo novas formas de os combater. Apesar disso, a perda auditiva na terceira idade ainda é de difícil aceitação para grande parte dos pacientes.

Recentemente, vários estudos têm mostrado que existe uma relação direta entre a perda auditiva nos idosos e alguns problemas cognitivos, como a demência e a depressão.

De acordo com esses estudos, a diminuição dos estímulos cerebrais causada pela perda auditiva - associada ao isolamento social que já tantas vezes referimos - afeta não apenas as áreas responsáveis pelo processamento do som e da linguagem, mas o cérebro inteiro.

Está comprovado que a privação sonora pode acelerar a perda de massa encefálica, quando comparado com idosos com audição normal.

Assim, tem de existir um esforço consciente na reabilitação auditiva destes pacientes, de forma a que não se acelere esse processo de deterioração. Procurar a devida ajuda médica é essencial, bem como promover a compreensão de familiares e amigos. Se ouvir bem ajuda o cérebro a manter-se são, combater a perda auditiva é essencial.